Proibido por Lula, ministro suspende férias para fazer campanha

O ministro da Saúde, Humberto Costa, considerou normal a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de suspender as férias dos integrantes de sua equipe, que pretendiam deixar Brasília e intensificar a campanha de integrantes de seus partidos em seus redutos eleitorais. Costa ia tirar férias a partir de segunda-feira e atuar, até 3 de outubro, na campanha do candidato do PT a prefeito de Recife, João Paulo. "É uma coisa normal (a decisão de Lula). O presidente entendeu que precisava dos ministros em Brasília durante estes dias exercendo seu papel. E também para que não houvesse qualquer mal entendido em relação ao processo eleitoral", comentou. Ele disse, porém, que vai passar o final de semana em Recife. Costa afirmou ainda que vai continuar cumprindo normalmente sua agenda. Perguntado se cumpriria suas atividades em Brasília, respondeu: "Vou cumprir a mesma agenda que tenho cumprido o tempo inteiro e que os demais ministros têm cumprido. A minha tem se centrado, em grande parte, em viajar pelo Brasil para inaugurar o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) , farmácias populares e centros de especialidades odontológicas." O ministro disse ainda que a decisão de Lula de suspender as férias dos ministros "não tem nada a ver" com o pedido de desculpas feito ontem pelo presidente por participação na campanha municipal em São Paulo. Costa participou, hoje, na capital paulista, de cerimônia de lançamento da rede pública de bancos de cordão umbilical.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.