Programas de Richa e Dias deixam acusações de lado

Se nos debates eleitorais no Paraná os principais candidatos ao governo, Beto Richa (PSDB) e Osmar Dias (PDT), trocam acusações entre si, nos programas do horário gratuito o tom é bem mais ameno, na tentativa de convencer o eleitor com apelos programáticos ou emocionais. No horário eleitoral da tarde de hoje, Richa acentuou propostas para a educação, enquanto Dias utilizou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) para avalizarem o plano agrícola proposto.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

13 de setembro de 2010 | 16h29

Richa afirmou que não vai decepcionar os eleitores e, particularmente, os professores, a quem prometeu aumento gradual dos salários. "Vou retribuir com trabalho, com empenho, dedicação e muita seriedade", disse. Ao final, fez um esforço para se contrapor às frequentes trocas de afagos entre Lula e Dias, no programa de seu adversário. "O Paraná produz, o Paraná não precisa de conselhos do Brasil, nos momentos de crise deu a resposta, o Brasil é que tem que dizer: muito obrigado, Paraná", afirmou.

Como tem feito desde a semana passada, o programa de Dias reprisou parte de diálogo entre ele e o presidente, em que Lula agradece pela "contribuição extraordinária" de Dias em votações no Senado. O candidato disse que é agricultor "de origem", foi secretário da Agricultura por duas vezes e defendeu o setor como senador. "E o mais importante: já acertei com a Dilma e vamos ter crédito para fazer a recomposição das dívidas que hoje atingem metade dos produtores."

O horário eleitoral foi aberto pelo candidato do PRTB ao governo, Robinson de Paula, que garantiu a aparição com liminar na Justiça Eleitoral. O partido estava usando o programa para atacar outros candidatos e divulgar apenas o número do PRTB. Um pedido para que o candidato, que é cabo da Polícia Militar (PM), seja substituído por Ella Patrícia Teixeira Vicente já foi protocolado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.