Programa premia professor por bom desempenho de aluno

Os professores Maria Lígia Santos da Conceição e Fernando Cleber Bairral foram dois dos nove homenageados nesta segunda-feira, no Rio, pelo programa Prova de Êxito. Ela ganhou R$ 6.240,00 porque teve o maior número de alunos aprovados com nota superior a 60 no Telecurso Comunidade Viva Rio, destinado a jovens acima de 15 anos que fazem o 1º Grau intensivo.Bairral está entre os cinco que mais alunos aprovaram e também entre os de melhor desempenho individual. Ao todo, 317 professores receberam prêmios em dinheiro, num total de R$ 700 mil, dados pela Telemar, a patrocinadora do programa no Rio."Há muitos prêmios para alunos, mas pouco incentivo ao professor. Por isso, criamos o Prova de Êxito porque a nota do aluno é a melhor avaliação do desempenho de quem dá aula", disse a superintendente-executiva do Instituto Multiplicar, Ângela Danneman. O Multiplicar é uma organização não governamental mantida pela Telemar, Brasil Telecom Brasil, Vale do Rio Doce e banco Opportunity. Ele começou a funcionar no Ceará, em 2000, com 100 mil alunos e formou a primeira turma em março deste ano, 83 mil aprovados, 50 mil deles com 60 pontos, o que garantiu o prêmio a 2.400 professores."Para cada disciplina em que o aluno foi aprovado com média acima de 60, o professor recebeu R$ 20 00. Como são cinco matérias, o máximo por aluno foi R$ 100,00. Dos 11 mil estudantes cariocas aprovados, 7 mil deram prêmios a seus mestres", disse Ângela Danneman. "Em outros Estados, o projeto tem parceria com o governo do Estado, mas aqui é totalmente privado, através do Viva Rio. Além disso, a Telemar é a única patrocinadora." A premiação foi surpresa para os dois professores, que têm formação superior (Bairral é bacharel em Filosofia e Maria Lygia, em Língua e Literatura Brasileira), mas pretendem continuar lecionando do Telecurso, onde recebem R$ 600,00 de salário por turma. Eles não tinham planejado ainda o que fazer com o dinheiro, assim como os outros professores, pois como o desempenho foi acima do esperado, todos ganharam mais do que previam. "Como o curso é em módulos, a desistência é menor do que o habitual", disse Ângela.Para 2002, o plano é estender o Prova de Êxito para Goiás. "Em 2000, tivemos R$ 8 milhões para todo o projeto, da implantação do curso à premiação. Para 2002, já contamos com R$ 5,4 milhões, mas ainda falta fechar outros financiamentos", disse Ângela. "Nossa intenção é aumentar o número de alunos e de Estados envolvidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.