Programa de enriquecimento de urânio é autônomo, diz Amorim

O Brasil não precisa da Alemanha para desenvolver tecnologia nuclear, disse hoje, em entrevista coletiva, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. "Acho que o acordo Brasil-Alemanha foi importante, mas hoje o programa de enriquecimento de urânio é autônomo e não depende de cooperação externa", afirmou. Na avaliação do ministro, o acordo deixou de funcionar há muito tempo. "Então, vamos fazer do limão uma limonada e quem sabe vender outras tecnologias alternativas, como o etanol", disse.No início deste mês, a Alemanha enviou correspondência diplomática ao Brasil solicitando a substituição do acordo nuclear por outro que daria mais ênfase à produção de energia renovável. "Temos uma política nacional de saída da energia nuclear e vamos incluir isso nas nossas relações internacionais, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Joschka Fischer, após reunir-se com Amorim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.