Programa da APAE dá trabalho a deficientes

Até 15 dias atrás, Paulo José Andrade Caldas, de 40 anos, não sabia o que era a rotina do trabalho. Bater cartão de ponto e obedecer às ordens de patrão eram procedimentos que nunca pensou que existissem. Há 15 dias, entretanto, a carteira profissional, que tirou muitos anos atrás, ganhou o carimbo: empacotador estagiário.A história de Caldas seria mais uma repetição da trajetória de trabalhadores vítimas da crise e da falta de emprego no País, não fosse o fato de ele ser integrante de um grupo de portadores de deficiência mental assistidos pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) que conseguiu emprego na rede de Supermercados Mambo."Foi o maior presente da minha vida", diz o empacotador. Apesar da deficiência, Caldas e outros 19 alunos da Apae receberam treinamento especializado, cumprindo obrigações, para se adaptarem ao mercado de trabalho. "Temos esse programa de capacitação e orientação para o trabalho há quase 30 anos, funcionando dentro da Apae, mas é a primeira vez que os alunos saem da entidade e prestam seus serviços como um cidadão comum", diz a coordenadora do programa, Elisabeth Federici Florance Teixeira.Ver o filho mais novo, José Roche Júnior, de 24 anos, sendo elogiado pelos clientes do supermercado é motivo de orgulho para Paulina Aparecida de Martini Roche. "Isso é um exemplo para a sociedade, uma mostra de que todo mundo pode ajudar um pouquinho", diz Paulina.José, portador de síndrome de down, é um dos empacotadores mais sorridentes da unidade Mambo em Pinheiros. Atende com atenção e cativa os clientes pela disposição. "Esses empacotadores têm muito mais atenção com os idosos do que os outros", diz a aposentada Luzia Ferreira.No início de 2003, outras 240 pessoas assistidas pela Apae devem ganhar espaço no mercado de trabalho em fábricas e prestadoras de serviço da capital. Eles recebem o mesmo salário-base da categoria. "Todo o País está vivendo uma fase de resgatar a solidariedade, de confraternização", afirma o diretor de Desenvolvimento de Recursos Humanos da rede, André Nassar. "Todos os nossos clientes comentam o trabalho, elogiam a iniciativa, muitos se emocionam."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.