Professores universitários ameaçam entrar em greve

Professores das universidades federais ameaçam entrar em greve, caso o governo envie ao Congresso projeto de lei que acaba com a estabilidade no emprego e a aposentadoria integral para novos contratados no âmbito do Ministério da Educação (MEC). "Nossa disposição é fazer a greve", disse o presidente do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), Roberto Leher.O projeto está em fase de conclusão no MEC e regulamenta a reforma administrativa. Ou seja, cria as novas carreiras de emprego público para professores e técnicos-administrativos que ingressem nas escolas e universidades federais após a promulgação da lei.A idéia é avaliar os docentes no mínimo a cada dois anos, demitindo os reprovados. Além disso, só poderão lecionar nas universidades federais docentes com título de doutor, salvo exceções em áreas como música e artes. As inovações não afetam os 160 mil professores e servidores atualmente em atividade.A reforma administrativa definiu que professores e técnicos-administrativos não fazem parte das carreiras de Estado. Portanto, as duas categorias deverão ser contratadas pelo regime da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), conforme prevê o projeto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.