Professores federais ameaçam não repor aulas

Os professores das universidades públicas federais, em greve há 30 dias, ameaçam não fazer a reposição das aulas se o governo continuar se recusando a aceitar ou negociar as reivindicações. A decisão vem sendo discutida nas últimas reuniões entre o Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes) e as associações dos professores das 56 universidades federais brasileiras. "Cada vez mais essa possibilidade é cogitada. O fracasso das últimas reuniões com o governo só nos fez pensar mais nessa possibilidade", disse Waldyr Lins de Castro, do comando de greve da Universidade Federal Fluminense (UFF). Além da não-reposição das aulas perdidas, os grevistas também ameaçam cancelar o semestre e, por causa disso, adiar o vestibular do ano que vem. Segundo Castro, a posição dos professores tende a ficar mais radical, já que o governo tem evitado conversar com os representantes dos grevistas. "Na última reunião com Martus Tavares (Orçamento), as lideranças foram ignoradas pelo ministro, que não quis nem ouvir o que eles tinham a dizer."A Andes calcula que o índice de paralisação ultrapassa 90% no País todo. Ela reivindica 75% de aumento salarial e a incorporação da Gratificação de Atividade Executiva (GAE), que corresponde a 160% do salário, e da Gratificação de Estímulo à Docência. Os grevistas pedem também a contratação de 8 mil docentes. Além dos professores, os servidores das universidades também estão em greve há cerca de dois meses. O ministro da Educação, Paulo Renato Souza, tem insistido que as reivindicações não podem ser atendidas, porque elas vão contra a política econômica do governo FHC. O ministro tem se recusado a receber os grevistas, ameaçado descontar os dias parados e suspender contratos temporários de professores substitutos.José Henrique Sanglard, da Adufrj (o sindicato dos docentes da UFRJ), afirma que, se houver retaliações do governo, os professores poderão cumprir suas ameaças e cancelar o semestre. "Como o governo não negocia, há chances de a greve continuar por bastante tempo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.