Professores da UFRJ decidem continuar em greve

Depois de quase cinco horas de assembléia, professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) decidiram pela continuidade da greve. Por 296 votos a 209, a categoria derrubou o resultado da assembléia do dia 21, que havia aprovado por uma pequena margem uma proposta de fim da paralisação."Policamente, foi uma vitória muito importante, porque a UFRJ, com todos os problemas que ela tem passado internamente, serve de parâmetro para todas as outras universidades", disse a vice-presidente da Associação dos Docentes da UFRJ (Aduferj), Cleusa Santos. Os professores aprovaram ainda a proposta de um substitutivo ao projeto de lei do governo, apresentado pelo comando nacional de greve por 375 votos contra 122. O substitutivo prevê aumento linear de 14,5% para professores universitários e de primeiro e segundo graus, equiparação das gratificação de incentivo à docência além da extensão de 60% da Gratificação de Estímulo à Docência (GED) aos inativos.Esta proposta, rejeitada pelo Ministério da Educação (MEC), representa R$ 350 milhões no orçamento da educação para 2002. O MEC alega que só tem R$ 280 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.