Professora atira copo com água no governador da Bahia

Jaques Wagner participava da comemoração do 2 de julho, data cívica mais importante do Estado

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

02 de julho de 2013 | 18h43

Em dia de manifestações de diversas categorias organizadas – servidores públicos municipais (que estão em greve), professores da rede estadual, médicos, integrantes do Movimento Passe Livre e até torcedores do Bahia –, coube a uma professora roubar a cena no desfile de comemoração ao 2 de Julho, principal data cívica da Bahia, pelas ruas do centro de Salvador.

Michele Perrone, de 34 anos, tentou acertar o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), arremessando um copo de plástico com um pouco de água contra o grupo no qual ele estava, ao lado do vice, Otto Alencar (PSD). O copo atingiu um integrante da Casa Militar que fazia a segurança do governador, mas Wagner também se molhou. Michele foi isolada por seguranças e policiais e liberada minutos depois – após outros participantes da festa gritarem em coro “solta, solta”.

Foi o principal tumulto registrado no cortejo, que celebrou os 190 anos da expulsão das tropas portuguesas da Bahia, consolidando a independência do País. A Secretaria de Segurança Pública, porém, temia que o encontro da população com as principais autoridades públicas do Estado, em meio aos confrontos nas manifestações realizadas em Salvador, pudesse ter resultado pior. Ao todo, mais de 2 mil policiais foram destacados para trabalhar na festa, 700 a mais que no ano passado. Um helicóptero da PM monitorou todo o percurso.

No fim, as manifestações foram pacíficas. As provocações ficaram reservadas, sobretudo, a vaias aos políticos, em vários momentos, e a faixas e cartazes. Uma delas, levada por um grupo do PSOL, por exemplo, desafiava o prefeito ACM Neto (DEM), depois de a prefeitura ter proibido a exibição de qualquer tipo de material promocional ou publicitário no cortejo. “ACM Neto, venha tomar minha faixa! Pelo direito à liberdade de expressão”, dizia o texto, assinado pelo partido.

Cerca de 60 mil pessoas participaram da festa, segundo a Polícia Militar. Em alguns momentos, faltou espaço nas estreitas ruas da região. Houve confusão, por exemplo, entre a equipe que fazia a segurança de Neto, que seguia no “bloco de oposição”, e integrantes do governo estadual, que caminhavam no bloco em frente.

O secretário de Saúde da Bahia, Jorge Solla, reclamou ter recebido uma cotovelada no peito de um segurança do prefeito, que tentava abrir passagem. “Há muitas testemunhas”, afirmou. Solla, porém, não precisou de atendimento médico, nem prestou queixa.

“Esta é a principal data da Bahia, a festa da cidadania do Estado e do Brasil, e este ano tem um sabor especial, porque a população já estava nas ruas e chacoalhou a classe política”, afirmou o governador, em fala bastante parecida com a do prefeito. “O civismo sempre foi a marca desta festa – e este ano ainda mais”, disse ACM Neto. “Temos de buscar entender o recado das ruas.”

Tudo o que sabemos sobre:
governadorBahia2 de julho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.