Produtos canadenses devem ser barrados em Santos

A partir de hoje, os trabalhadores do Porto de Santos não desembarcarão produtos procedentes do Canadá, em represália ao boicote imposto à carne brasileira pelas autoridades canadenses. "O comércio com o Canadá passa a ser decidido em Santos, já que o governo foi frouxo e não tomou as medidas como sobretaxar os produtos canedenses", comentou o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva. Um navio carregado com 49 mil toneladas de enxofre deverá atracar hoje à noite no Terminal de Fertilizantes, mas não será operado pelos trabalhadores. O bloqueio da descarga não atingirá produtos perecíveis, alimentos, remédios e papel. Os trabalhadores mantinham ontem contatos com as lideranças sindicais dos portos do Rio de Janeiro, Paranaguá, Vitória e São Sebastião, na busca de maior adesão para a retaliação. Cautela O Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo manifestou seu apoio ao movimento dos trabalhadores, que considerou "louvável". Mesmo assim, pediu cautela aos trabalhadores portuários para que a retaliação não prejudique a economia brasileira. "Quando eventualmente boicotar-se a descarga de determinado produto de origem canadense. Estaremos apenas criando prejuízos para uma empresa brasileira ou todo um setor da economia". Lembra que o importador brasileiro passa a ser o proprietário da carga a partir do embarque, enquanto os interesses do exportador estão garantidos. Nesse caso, o comprador será responsabilizado pela estadia excedente do contêiner ou do navio e pelas despesas extras que ocorrem com a demora na liberação da carga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.