Produtores pedem definição sobre transgênicos

A Associação Brasileira dos Produtores de Sementes (Abrasem) quer que a Justiça Federal se manifeste sobre a regulamentação do plantio e comercialização de produtos transgênicos no Brasil. Segundo o presidente da entidade, João Lenine Bonifácio, o objetivo é evitar que as sementes de soja transgênica contrabandeadas, resistentes ao herbicida glifosato, tomem conta das lavouras do País. Para esta safra (2002/03), cujo plantio está começando, a demanda por sementes de soja é de cerca de 1,1 milhão de toneladas, sendo que somente 700 mil toneladas deverão ser certificadas. A diferença será preenchida com 400 mil toneladas de sementes de soja cultivadas ilegalmente, das quais 200 mil toneladas correspondem a contrabando. O restante se refere a produto pirateado - semente onde o fabricante, amparado pela Lei de Cultivares, que corresponde à lei de patentes agrícolas, não recebe nenhum royalty. O plantio e a comercialização de transgênicos aguardam decisão da Justiça há quatro anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.