Produtores gaúchos tentam evitar desapropriação

A desapropriação de 13,2 mil hectares de cinco fazendas do produtor rural Alfredo Southall, anunciada pelo Incra na terça-feira, provocou uma reação conjunta da prefeitura, Câmara de Vereadores e entidades empresariais de São Gabriel (RS). Em nota, eles dizem que temem ?a adição repentina de uma considerável população inativa? e alegam que a entrega de áreas produtivas aos sem-terra subtrai renda da prefeitura por reduzir o movimento econômico. Para eles, os assentamentos em áreas produtivas oneram os municípios com a exigência de maior prestação de serviços de saúde, educação e assistência social. Eles convocaram agropecuaristas do Estado para uma manifestação no dia 2 de junho. O prefeito Rossano Dotto Gonçalves (PDT) destacou que o assentamento de 530 famílias vai aumentar a população do município em 5% de um dia para outro. ?Teremos dificuldade para atender a comunidade?, afirmou. São Gabriel tem 62 mil habitantes.O proprietário das cinco fazendas, que, somadas, têm uma área equivalente a 67 vezes o principado de Mônaco, Alfredo Southall, admite que tem muita terra. ?Mas a propriedade jamais foi improdutiva?, afirma. Southall reclama de não ter sido ouvido no levantamento de dados que o governo federal fez antes de desapropriar a área.O secretário estadual da Reforma Agrária, Vulmar Leite, sugeriu que o debate ideológico seja deixado de lado e que tanto o governo federal quanto a defesa do proprietário se atenham à discussão da legalidade do ato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.