Produção nacional está no limite, adverte Lula

Presidente pede ao empresariado que faça investimentos e acena com carga tributária menor

29 Outubro 2007 | 08h24

A carga tributária do País pode ser menor. É o que acenou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta segunda-feira, 29,  ao apontar que o País já está atingindo toda sua capacidade produtiva e que o empresariado precisa investir para crescer a economia. "As empresas estão na sua capacidade produtiva máxima", afirmou Lula. "As encomendas estão crescendo e só tem um jeito de atender: as empresas investirem no crescimento das suas próprias empresas."   "Não tem mágica em economia". Como exemplo, Lula, que na semana passada esteve na Petrobras, disse que os cerca de 65 mil fornecedores da empresa, que antes necessitavam "240 dias, 250 dias para fazer o atendimento a um pedido", agora demoram "450 dias". "Todo mundo sabe que em algumas regiões do País está faltando cimento, em outra região está faltando vergalhão."   Em seu programa de rádio semanal, Café com o Presidente, Lula disse que "com esse boom do petróleo, com o preço do petróleo, com todo mundo investindo em petróleo agora, o que está acontecendo é que no mundo inteiro está faltando peça para que se possa fazer mais prospecção de petróleo". "Estão faltando navios, estão faltando peças para construir plataformas", completou o presidente.   Sobre a reunião com os 100 maiores empresários do Brasil, na semana passada, Lula disse que o governo quis estimular o empresariado a fazer investimentos no País para que a economia cresça, gerando mais empregos. "O governo precisa contribuir aumentando a sua capacidade de financiamento", disse. Lula disse ainda que o governo está estimulando os empresários a acreditarem cada vez mais no País.   O presidente disse ainda que "cada deputado, cada senador" tem uma política tributária e é preciso construir uma proposta consensual para o País.

Mais conteúdo sobre:
Reforma tributária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.