Procuradoria quer afastar juíza do caso Maluf

A Procuradoria da República em São Paulo ingressou com um pedido formal de afastamento da juíza Adriana Pillegi de Soveral, da 8ª Vara Criminal Federal, do processo que investiga as supostas contas e fundos em nome do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) e familiares na Suíça e no paraíso fiscal da ilha de Jersey, no Canal da Mancha. O recurso jurídico utilizado pelo procurador Pedro Barbosa Pereira Neto para pedir o afastamento, uma ?exceção de suspeição?, coloca sob suspeita a atitude da juíza ao longo da ação, e argumenta que a parcialidade dela tem favorecido o acusado."Desde o início do processo, a juíza tem dificultado a investigação por parte do Ministério Público", argumenta Pereira Neto. "Mas os que nos motivou realmente a protocolar a exceção de suspeição foi a forma como ela autorizou o acesso da defesa de Maluf a documentos do processo, no mês passado." No início de outubro, a juíza determinou que o Ministério da Justiça liberasse aos advogados de defesa de Maluf o acesso a documentos enviados ao Brasil por autoridades da Suíça e de Jersey, onde talvez existissem referências às contas de Maluf no exterior. O Ministério da Justiça é o canal de comunicação entre a Justiça brasileira e as autoridades estrangeiras. Toda a documentação enviada do exterior chega primeiro ao Ministério e, depois, é anexada ao processo."O que contestamos é que a juíza decretou que os advogados de Maluf vissem estes documentos antes que eles fossem anexados ao processo, ou seja, antes mesmo que nós pudéssemos ter acesso à eles", acusa o procurador.A Procuradoria da República contestou a decisão da juíza por intermédio de um mandado de segurança impetrado no Tribunal Regional Federal (TRF), no final de outubro. No dia 5 de novembro, a desembargadora Suzana Camargo do TRF determinou que os advogados de Maluf só tivessem acesso aos documentos depois que eles fossem anexados ao processo, como defende o procurador. A assessoria de imprensa do Justiça Federal em São Paulo não localizou a juíza, no final desta tarde, para que ela se pronunciasse sobre a exceção de suspeição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.