Procuradoria pede informações à PF sobre Satiagraha

Questionamento do MPF se baseia em representação formulada pelo delegado Protógenes Queiroz

AE, Agencia Estado

25 Julho 2008 | 08h43

A Procuradoria da República requereu na última quinta-feira da Polícia Federal todas as informações sobre a Operação Satiagraha e a logística que a corporação disponibilizou para que a operação fosse desencadeada. São 10 perguntas que a PF terá de responder abrangendo dados relativos ao início da investigação que levou para a prisão o sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, supostamente envolvidos em esquema de corrupção, desvio de verbas públicas, evasão de divisas, lavagem de capitais e quadrilha.   Veja também: Veja as principais operações da PF desde 2003  As prisões de Daniel DantasO questionamento do Ministério Público Federal se baseia em representação formulada pelo delegado Protógenes Queiroz, que conduziu Satiagraha desde seu início, há quatro anos, até sexta-feira passada, quando se despediu do caso acuado por colegas que ocupam cargos de direção na PF. Protógenes denunciou obstrução das investigações e atribuiu a superiores as dificuldades que alega ter encontrado na missão que culminou com a decretação de 24 suspeitos e uma varredura em 56 endereços comerciais e residenciais dos alvos de Satiagraha, deflagrada dia 8.Em petição de 16 páginas, que protocolou há 8 dias no Ministério Público em São Paulo, o delegado queixou-se formalmente de falta de apoio da administração para avançar na apuração sobre o Grupo Opportunity. Ele informou ter sido afastado do inquérito e denunciou falta de recursos humanos e materiais para conduzir a operação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.