Procuradoria pede informações à PF sobre Satiagraha

Questionamento do MPF se baseia em representação formulada pelo delegado Protógenes Queiroz

AE, Agencia Estado

25 Julho 2008 | 08h43

A Procuradoria da República requereu na última quinta-feira da Polícia Federal todas as informações sobre a Operação Satiagraha e a logística que a corporação disponibilizou para que a operação fosse desencadeada. São 10 perguntas que a PF terá de responder abrangendo dados relativos ao início da investigação que levou para a prisão o sócio-fundador do Grupo Opportunity, Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, supostamente envolvidos em esquema de corrupção, desvio de verbas públicas, evasão de divisas, lavagem de capitais e quadrilha.   Veja também: Veja as principais operações da PF desde 2003  As prisões de Daniel Dantas O questionamento do Ministério Público Federal se baseia em representação formulada pelo delegado Protógenes Queiroz, que conduziu Satiagraha desde seu início, há quatro anos, até sexta-feira passada, quando se despediu do caso acuado por colegas que ocupam cargos de direção na PF. Protógenes denunciou obstrução das investigações e atribuiu a superiores as dificuldades que alega ter encontrado na missão que culminou com a decretação de 24 suspeitos e uma varredura em 56 endereços comerciais e residenciais dos alvos de Satiagraha, deflagrada dia 8. Em petição de 16 páginas, que protocolou há 8 dias no Ministério Público em São Paulo, o delegado queixou-se formalmente de falta de apoio da administração para avançar na apuração sobre o Grupo Opportunity. Ele informou ter sido afastado do inquérito e denunciou falta de recursos humanos e materiais para conduzir a operação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
PF Operação Satiagraha Procuradoria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.