Procuradoria Geral Eleitoral pede cassação de Tião Viana, governador do Acre

Irmão do governador e senador, Jorge Viana, também teve pedido de cassação de mandato emitido

Itaan Arruda - Especial para O Estado de S. Paulo,

20 de julho de 2012 | 13h11

RIO BRANCO - Em documento divulgado na noite de quinta feira, a vice-procuradora geral eleitoral, Sandra Cureau, acata decisão do MPE e dá parecer favorável à cassação dos mandatos do governador do Acre, Tião Viana, do vice-governador, César Messias, do senador Jorge Viana (PT/AC) e dos suplentes Nilson Mourão e Gabriel Maia.

A vice-procuradora geral eleitoral argumenta que houve abuso do poder econômico, do poder político e do uso dos meios de comunicação oficiais na campanha que elegeu os cinco políticos da coligação Frente Popular na eleição de 2010.

"A legitimidade das eleições foram seriamente afetadas na hipótese dos autos, comprometendo a igualdade da disputa e o equilíbrio do pleito", conclui a vice-procuradora geral eleitoral, Sandra Cureau, no documento de 41 páginas.

O documento faz referências a empresas do setor da construção civil que, com contratos com o Governo do Acre, praticaram "a irregularidade da convocação de funcionários de empreiteiras e empresas contratantes com o Poder Público, com a finalidade de realizar atos de campanha".

O senador Jorge Viana (PT/AC) e o governador do Acre, Tião Viana, participaram de agendas no interior do estado. O secretário de Estado de Comunicação, Leonildo Rosas, não quis se pronunciar sobre o assunto alegando tratar-se "de agenda política e não de agenda de Governo".

O presidente do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores, Leonardo Brito, não retornou as várias ligações feitas para que pronunciasse sobre o problema. A assessoria do senador Jorge Viana (PT/AC) foi a única que tratou do assunto. Por internet, assegurou que "vai continuar respondendo todos os tramites judiciais do processo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.