Procuradoria do ES denuncia 21 acusados na Operação Titanic

Organização importava mercadoria de luxo subfaturada; filho do governador de RO não foi denunciado

Marcelo Auler, de O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2008 | 16h28

Para evitar que sete dos envolvidos na Operação Titanic, fossem libertados nesta sexta-feira, 11, quando vence o prazo de cinco dias legais das prisões temporárias decretadas pelo juízo da 1ª Vara Criminal Federal de Vitória, a Procuradoria da República naquele Estado denunciou 21 dos acusados apenas pelo crime de formação de quadrilha e pediu a prisão temporária de sete deles. Os envolvidos poderão ser denunciados , através de aditamentos, por outros crimes além da formação de quadrilha.   Nesta denúncia por formação de quadrilha não entraram Ivo Junior Cassol e Alessandro Cassol Zabot, respectivamente filho e sobrinho do governador de Rondônia, Ivo Cassol, nem tampouco o ex-senador Mario Calixto Filho que são acusados do crime de tráfico de influência. Com isto, Ivo e Alessandro serão colocados em liberdade. Já Calixto Filho permanecerá preso, pois foi o único que teve prisão preventiva (30 dias) decretada. Ele é acusado de ter recebido R$ 190 mil da quadrilha de Adriano Scopel.   Veja Também: Justiça revoga primeira prisão da Operação Titanic     A Operação Titanic, deflagrada em Vitória segunda-feira após uma investigação de mais de um ano feita pelo setor de Inteligência da Polícia Federal e os procuradores da República, atingiu uma organização criminosa que atuava na importação subfaturada de automóveis e mercadorias de alto luxo. Entre os denunciados estão empresários, contadores, corretores de câmbio e servidores públicos federais. A pena para quem pratica o crime de formação de quadrilha é de até três anos de prisão. Só no último ano, a sonegação fiscal praticada pela organização criminosa resultou em um prejuízo aos cofres públicos de pelo menos R$ 7 milhões.       Tiveram a prisão preventiva solicitada pelo MPF o empresário Adriano Mariano Scopel, dono da Tag Importação e Exportação de Veículos e apontado como chefe da quadrilha; Aguilar de Jesus Bourguignon, economista, diretor operacional da Tag Importação de Exportação de Veículos, apontado como o braço direito de Adriano Scopel; Charles Henrique Porto Santos, fiscal da Anvisa que mediante propina legalizava a importação fraudulenta de anabolizantes; Edcarlos Tibúrcio Pinheiro e Max Pimentel de Almeida Marçal, auditores da Receita Federal, respectivamente em porto Velho e Vitória; Pedro Scopel, pai de Adriano e sócio dele na Tag Importação e Exportação de Veículos; e Rodolfo Bergo Legnaioli, despachante aduaneiro de Adriano Scopel. Para os procuradores, se os sete forem postos em liberdade poderão colocar em risco a ordem pública, frustrar a aplicação da lei penal ou até mesmo trazer prejuízo à instrução criminal.   Entre os denunciados estão alguns envolvidos cuja prisão temporária tinha sido pedida pela Polícia Federal e pelos procuradores, mas não foram concedidas pelo juiz Pablo Gomes.   Além dos sete que tiveram a prisão preventiva solicitada, foram denunciados:   Alberto Oliveira da Silva - auditor fiscal da Receita Federal   Aldeni Avelar Portela Silva - contadora   Alessandro Stockl - assessor direto de Adriano Scopel   Clenilson de Farias Dantas - empresário brasileiro nos EUA, fornecedor de bens de alto luxo importados de forma subfaturada por Adriano Scopel    Danilo Rodrigo Lemos Cremasco - empresário, fornecedor de bens de alto luxo importados de forma subfaturada por Adriano Scopel    Eduardo Sayegh - empresário, fornecedor de bens de alto luxo importados de forma subfaturada por Adriano Scopel    Fabiano Fonseca Furtado Mendonça - responsável pelo fornecimento de notas fiscais falsas para a quadrilha   Fernando Silva do Couto - empregado da Tag Importação e Exportação de Veículos   Leisa Cristina Ortega Amaral - auditora fiscal da Receita Federal, mulher do denunciado Max Pimentel de Almeida Marçal   Marco Antônio Gama Barreto - advogado, braço jurídico da quadrilha   Maurenice Gonzaga de Oliveira - gerente administrativa da Tag Importação e Exportação de Veículos   Mikhail Palmeira Dantas - empresário brasileiro nos EUA, fornecedor de bens de alto luxo importados de forma subfaturada por Adriano Scopel    Moacir Alves da Silva - despachante    Ronaldo Benevidio dos Santos - empregado da Tag Importação de Exportação de Veículos

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Titanic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.