Google Street View
Google Street View

Procuradoria denuncia militares por esquema que causou prejuízo de R$ 150 mi

Denúncia foi apresentada no Rio contra 11 pessoas pelos crimes de estelionato e violação do dever funcional com fim de lucro

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2017 | 17h30

RIO - A 2ª Procuradoria de Justiça Militar (PJM) no Rio de Janeiro apresentou denúncia contra 11 pessoas, entre civis e militares, pelos crimes de estelionato e violação do dever funcional com fim de lucro. O suposto esquema teria funcionado entre setembro de 2005 e dezembro de 2010 e causado prejuízos de R$ 150 milhões aos cofres públicos, em valores da época. Os nomes dos envolvidos são mantidos em sigilo.

+++ Justiça Militar condena a 4 anos de prisão 2 coronéis da Aeronáutica

A denúncia foi oferecida ainda em setembro à 2ª Auditoria da 1ª Circunscrição Judiciária Militar e remetida no fim do mês passado ao Superior Tribunal Militar (STM) para deliberação. Caberá ao STM acatar ou não as acusações.

+++ Corregedoria da polícia de São Paulo é acusada de cobrar ‘mensalão’ de corruptos

Na peça acusatória, o Ministério Público Militar (MPM) dividiu os envolvidos em três grupos. Um deles é formado por oficiais coordenadores do Centro de Excelência em Engenharia de Transportes (Centran), em parceria firmada entre o Departamento de Engenharia e Construção (DEC) e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Há pelo menos um coronel, hoje na reserva, dois majores e um tenente entre os investigados. 

+++ 4 PMs do Bope são condenados por passar informações a traficantes

Outro grupo é composto por sócios de empresas de fachada, que supostamente prestavam serviços. O terceiro é formado por oficiais da reserva e civis que representavam fundações. O esquema envolveria "uma engenharia criminosa, iniciada por ocasião dos convênios firmados entre o Instituto Militar de Engenharia (IME) com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT)", acusou a Procuradoria.

Segundo a denúncia, os empresários utilizavam parentes e amigos como "laranjas" para a administração de empresas que participaram de procedimentos licitatórios do DEC, mediante indicação dos oficiais supervisores do Centran. Para o MPM, "todos os denunciados tinham conhecimento de que as empresas eram de fachada e que elas não possuíam capacidade técnica em engenharia de transportes. Algumas, inclusive, foram criadas especificamente para serem utilizadas na empreitada criminosa", de acordo com a acusação. Foram identificadas 14 supostas empresas de fachada.

O MPM afirma ainda que o esquema podia ser concluído de três formas: os serviços não eram executados pelas empresas; contratavam-se serviços já executados em outros contratos celebrados pelos DEC; ou superfaturamento.

 

Defesa

Em nota, o Exército informou que "ao tomar ciência do fato e em cumprimento ao que determina a legislação vigente, abriu um Inquérito Policial Militar para apurar o acontecido". Afirmou também que enquanto o processo estava em poder do MPM "prestou todo apoio àquela instituição em suas solicitações".

A instituição esclareceu ainda que "no caso específico do Instrumento de Parceria estabelecido entre o Exército, por intermédio do Departamento de Engenharia e Construção (DEC), com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), não houve qualquer irregularidade, não tendo sido objeto da presente denúncia".

O comunicado diz ainda que "cumpre destacar que o Exército Brasileiro não compactua com qualquer tipo de irregularidade praticada, repudiando veementemente fatos desabonadores da ética e da moral que devam estar presentes na conduta de todos os seus integrantes" e que "a Força empenha-se, rigorosamente, para que eventuais desvios de conduta sejam evitados, investigados e corrigidos, dentro dos limites da lei, e para que as decisões judiciais sejam respeitadas".

O DNIT foi procurado, mas ainda não se manifestou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.