Procuradoria de São Paulo abre campanha pela ética

Mensaleiros, sanguessugas e suspeitos de corrupção de todos os níveis da administração são os alvos de campanha desencadeada pelo Ministério Público (MP) de São Paulo para conclamar a sociedade a vigiar os políticos eleitos em outubro e reforçar a cruzada pelo poder de investigação dos promotores."A sua vigilância é fundamental para evitar que fatos como estes voltem a acontecer", diz o texto do filme que será veiculado na TV, ilustrado por imagens sobrepostas de manchetes de jornais de todo o Brasil noticiando desmandos de administradores públicos e falta de ética de políticos. Além do filme, produzido pela agência Futura - sem custos para o MP -, um spot de rádio de 30 segundos será transmitido pelas principais emissoras do País.Rodrigo Pinho, procurador-geral de Justiça, advertiu para a reação de entidades e segmentos que pretendem tirar da promotoria competência para realizar apurações de caráter criminal. O mais recente desafio partiu da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) com ação de inconstitucionalidade da resolução do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que atribui aos promotores a responsabilidade pela condução de procedimentos criminais."Infelizmente esta é uma questão ainda não decidida pelo STF, daí a importância de uma mobilização cada vez maior da sociedade civil para impedir retrocesso tão grave", declarou Pinho, que se referiu a escândalos que marcaram o primeiro governo Lula. "Passado esse turbilhão de denúncias ao qual nosso país foi submetido a sociedade tem que fiscalizar cada vez mais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.