Procuradoria de Portugal recebe pedido de cooperação da Lava Jato

Órgão de investigação do país europeu confirmou a solicitação de ajuda e informou que o caso está em segredo de Justiça

Eulina Oliveira, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2015 | 16h52

São Paulo - A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Portugal informou nesta terça-feira, 21, que recebeu um pedido de cooperação judiciária internacional das autoridades brasileiras no âmbito da Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na Petrobrás. 

"A Procuradoria-Geral da República remeteu este pedido para execução ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)", diz a PGR portuguesa na nota. "A carta rogatória encontra-se em segredo de Justiça, pelo que o seu objeto e diligências realizadas ou a realizar não podem ser divulgados", acrescenta.

A Procuradoria de Portugal informou ainda que existem investigações em curso relacionadas com a Portugal Telecom, "as quais se encontram em segredo de Justiça".

"No âmbito destas investigações, e de outras que venham a revelar-se pertinentes, o Ministério Público não deixa de investigar todos os fatos com relevância criminal que cheguem ao seu conhecimento", diz a nota.

Nesta terça, o jornal Público, de Portugal, publicou reportagem segundo a qual o Ministério Público daquele país está investigando "o envolvimento político" na venda à Telefónica das ações da Portugal Telecom na brasileira Vivo e o cruzamento de posições acionárias com a operadora brasileira Oi, "no qual interveio José Dirceu, o principal rosto do caso Mensalão e agora atingido pela Operação Lava Jato", diz a reportagem.

"Suspeitas de benefícios financeiros, no valor de várias dezenas de milhões de euros, concedidos a governantes, acionistas e quadros de topo das operadoras podem estar na origem das averiguações", diz o jornal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.