Procuradoria apresenta duas novas denúncias contra a 'Máfia do Asfalto'

Ao todo 23 pessoas, entre elas empresários, lobistas, servidores públicos e políticos, são acusadas por formação de quadrilha, falsidade ideológica e fraudes em licitações

Fausto Macedo, O Estado de S. Paulo

25 de julho de 2013 | 21h37

O Ministério Público Federal apresentou à Justiça duas novas denúncias criminais contra a Máfia do Asfalto – organização que se infiltrou em pelo menos 78 municípios do interior de São Paulo para fraudar licitações, provocando prejuízo estimado em R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

As novas denúncias apontam especificamente para contratos nas cidades de Jales e São João de Iracema. Ao todo, 23 pessoas são acusadas por formação de quadrilha, falsidade ideológica e fraudes em licitações. Entre elas estão empresários, lobistas, servidores públicos e políticos locais.

A Máfia do Asfalto foi desarticulada em abril pela Operação Fratelli, força-tarefa do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e do Ministério Público Estadual.

O alvo maior da investigação é o empresário Olívio Scamatti, controlador do Grupo Demop, supostamente favorecido pelas administrações municipais sob suspeita. Scamatti está preso desde abril. Também é citado o lobista Osvaldo Ferreira Filho, o Osvaldim.

Interceptações telefônicas flagraram contatos frequentes da organização com parlamentares, estaduais e federais, de partidos diversos.

As novas denúncias mostram fraudes na contratação de serviços, especialmente de pavimentação e recapeamento asfáltico na região Noroeste do Estado.

Em São João de Iracema, afirma a Procuradoria, as empresas pertencentes ao mesmo grupo econômico participavam de licitações como se fossem concorrentes. Foram quatro licitações fraudadas somando R$ 479,1 mil.

Em Jales, uma licitação, em valor superior a R$ 6 milhões, foi realizada com uma única empresa pertencente ao grupo criminoso, burlando a competição.

O Ministério Público Federal já havia denunciado 19 envolvidos no esquema de fraudes e até um policial civil por violação de sigilo funcional ¬ ele informou um lobista sobre carro usado pela Polícia Federal durante as investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.