Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Procuradoria acusa Bernardinho de campanha antecipada

O ex-técnico da seleção brasileira de vôlei se filiou ao partido Novo e é cotado para ser o pré-candidato da sigla ao governo do Rio

Contança Rezende, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2017 | 13h27

RIO - A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro (PRE/RJ) acusa o ex-técnico da seleção brasileira de vôlei Bernardinho de  propaganda eleitoral antecipada. O treinador se filiou ao Novo e é cotado para ser o pré-candidato do partido ao governo do Rio.

De acordo com o órgão, Bernardinho concedeu entrevistas a jornais e fez publicação em sua página no Facebook em que “exalta suas realizações e promove sua candidatura”. É a primeira representação da PRE/RJ sobre o tema para as eleições 2018. Em novembro, ao Estadão/Broadcast, o treinador confirmou que pode se candidatar ao cargo.

Em entrevista à imprensa, Bernardinho expôs metas de campanhas e realizou promoção pessoal em busca de futuro apoio do eleitorado. Ele também teria, de forma pública, formulado convite ao ex-secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame para compor a sua chapa como vice-governador.

++Veja quem quer ser presidente em 2018

Como punição, a PRE requer pagamento de multa de R$ 25 mil, retirada do conteúdo irregular da página do pré-candidato no Facebook, e que ele se abstenha de divulgar sua campanha na mídia e nas redes sociais no período vedado pela legislação.

PT aposta até o fim em Lula candidato

Propaganda eleitoral. De acordo com o calendário eleitoral 2018, só estão autorizadas as propagandas a partir do dia 16 de agosto. Antes do período, estão proibidos a promoção pessoal e o pedido de votos, seja ele explícito ou implícito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.