Procuradoria acompanhará investigações sobre cantora

A Procuradoria-Geral da República vai acompanhar as investigações sobre a gravidez da cantora mexicana Glória Trevi. O bebê foi concebido na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília. Depois, a cantora foi transferida para o Presídio da Papuda, onde está agora. Hoje, o ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, encaminhou ao Ministério Público Federal uma cópia da sindicância realizada pela PF. Em sua última edição, a revista "IstoÉ" levanta suspeita de que Glória tenha mantido relações com dois agentes policiais, baseando-se em correspondências trocadas entre presos.O relatório final da sindicância, entregue na semana passada ao então ministro da Justiça, José Gregori, afirma que Glória fez uma inseminação artificial artesanal, supostamente com um tubo de caneta esferográfica. Nas cartas citadas pela revista, um preso conta que a cantora mexicana estava grávida, acentuando que o fato seria a bomba do ano e faria cair até delegado.Aloysio Nunes debruçou-se sobre a sindicância da PF - ele deve pedir novas investigações. Para isso, enviou hoje mesmo uma cópia do processo ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro. O ministro da Justiça, entretanto, não pretende interferir no julgamento do pedido de asilo político de Glória, que está sendo apreciado pelo Conselho Nacional de Refugiados (Conare). Segundo sua assessoria, Aloysio Nunes manterá a independência e a liberdade do Conare e não pedirá que a decisão seja adiada, conforme querem os advogados de Glória Trevi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.