Procuradores da Lava Jato voltarão para Suíça em busca de documentos

Investigadores retornam ao país europeu na próxima segunda, lá eles terão acesso a extratos bancários e documentos que revelam o caminho do dinheiro que seria fruto de propina

Jamil Chade, correspondente em Genebra, O Estado de S. Paulo

14 de janeiro de 2015 | 20h32

Genebra - Uma delegação da Justiça brasileira composta por procuradores da República desembarca na próxima segunda-feira, 19, na Suíça para buscar novos documentos relacionados com o escândalo de corrupção da Petrobrás e de empresas envolvidas na Operação Lava Jato. Eles terão acesso a extratos bancários e documentos que revelam o caminho do dinheiro que seria fruto de propina e que teria sido transferido para contas no país europeu. Fontes suíças confirmaram ao Estado que, entre os envolvidos, novos nomes e novos depósitos já foram identificados. 

Os suíços também darão aos brasileiros acesso a informações sobre quem teria feito os depósitos e quem os recebeu. Entre os nomes buscados na investigação estão Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, o suposto operador do PMDB, além de empreiteiras e seus intermediários. 

Em novembro de 2014, uma primeira missão de procuradores viajou até Lausanne para iniciar a cooperação com os suíços. O acesso aos documentos naquela viagem garantiu, segundo os procuradores, a descoberta de novas informações sobre como agiam os suspeitos. 

Durante a viagem, os brasileiros tiveram acesso aos documentos e extratos bancários das contas do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa. As informações poderão ser fundamentais para a Operação Lava Jato. Ficou estabelecido também naquele momento que o dinheiro de Costa seria repatriado ao Brasil, ainda que a data e o procedimento não tenham sido fixados. 

Orlando Martello, um dos procuradores que esteve em Lausanne em novembro, confirmou que os documentos de movimentações de Costa foram fornecidos pelos suíços. Eles mostram quem fez pagamentos e quem recebeu o dinheiro, cerca de US$ 26 milhões. Os extratos bancários das contas suíças Costa poderão abrir novas frentes de investigação sobre o maior escândalo de corrupção no País.

As novas descobertas, no entanto, não chegaram ao Brasil a tempo de serem incluídas nos primeiras denúncias apresentadas à Justiça Federal em dezembro, antes do recesso judiciário. No final do ano passado, a Procuradoria da República no Paraná fez cinco denúncias contra 39 suspeitos, incluindo executivos de grandes empreiteiras.

No início do ano, os suíços iniciaram sua própria investigação e identificaram como as contas encontradas tinham uma relação direta com refinarias em Pernambuco e nos EUA. Costa poderá responder a um processo de lavagem de dinheiro na Suíça. 

Cinco contas em nome do ex-executivo da empresa foram encontradas com um total de US$ 26 milhões. Os recursos voltarão ao Brasil para uma conta que será administrada de forma conjunta pelo Ministério Público e pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O conteúdo dos extratos, quem alimentou as contas na Suíça e quem recebeu o dinheiro estão mantidos sob total sigilo enquanto a delegação brasileira estiver em Lausanne. O que os suíços fizeram, porém, foi traçar a origem e o percurso do dinheiro, o que revelou um caminho e envolvidos até agora desconhecidos no Brasil. Na Suíça, Costa não é o único investigado e a apuração do MP local avalia toda a rede de pagamentos.

Os documentos foram liberados pelos bancos suíços por exigência da Justiça, que acumula verdadeiro dossiê sobre como funciona o pagamento de propinas no Brasil. Algumas das evidências apontam que as contas e o esquema já funcionam há anos nos bancos suíços, principalmente em Genebra.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoSuíça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.