Procuradora quer punição para motim de controladores

A procuradora da Justiça Militar, Maria de Nazaré Guimarães, pediu à Aeronáutica informações sobre o descumprimento de ordens hierárquicas dos controladores de vôo do Centro de Controle Aéreo de Manaus (Cindacta 4) na greve do dia 30 de março. No Amazonas, os controladores tornaram a insubordinação explícita ao divulgarem fotografias quando estavam amotinados no dormitório do Cindacta 4. Com base nas informações, a promotora decidirá se pede ou não a abertura de ação penal à Justiça Militar. Se condenados por crime de motim, por exemplo, poderão ser punidos com até oito anos de prisão. O processo correrá em sigilo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.