Procuradora diz que deputados prestaram desserviço ao País

Ex-chefe da Procuradoria Regional da República criticou parlamentares que aprovaram PEC que alija o MP das investigações de caráter criminal

Fausto Macedo, O Estado de S. Paulo

22 de novembro de 2012 | 16h10

SÃO PAULO - A procuradora Luiza Cristina Frischeisen, ex-chefe da Procuradoria Regional da República em São Paulo, declarou nesta quinta feira, 22, que os deputados que aprovaram a PEC 37 - que alija o Ministério Público das investigações de caráter criminal - "prestaram um desserviço à sociedade".

Para Frischeisen, que acumula 20 anos de experiência no Ministério Público Federal, "é inadmissível" que procuradores e promotores não possam fazer investigações "nesse momento de recrudescimento da criminalidade, especialmente nos Estados de São Paulo e de Santa Catarina".

A PEC 37 foi aprovada quarta feira, 21, por 14 votos a dois na Comissão Especial da Câmara dos Deputados. A proposta, que atribui às polícias Federal e Civil nos Estados competência exclusiva para promover investigações de âmbito criminal, ainda será debatida pelo plenário da Câmara e do Senado.

A procuradora destaca que "as melhores e mais profundas investigações" contra organizações criminosas e o colarinho branco foram executadas com êxito nas ocasiões em que a polícia contou com a participação do Ministério Público.

Frischeisen faz um alerta sobre o alcance da PÈC 37. "Dizer que investigação é monopólio da polícia não afasta só os procuradores e promotores, mas também o Banco Central, a Comissão de Valores Mobiliários, a Receita e outros órgãos de fiscalização."

A procuradora disse que espera que os parlamentares que ainda vão debater a PEC 37 "tenham uma visão completa e real de como efetivamente é benéfico para o País a investigação do Ministério Público".

"Não queremos exclusividade, o Ministério Público nunca quis", assinala Frischeisen. "O Ministério Público quer a possibilidade de também poder investigar. Aliás, o Supremo Tribunal Federal já vem reconhecendo como legítima a investigação do própria pelo Ministério Público em situações que envolvem atos de agentes públicos. O Supremo reconhece que o Ministério Público possui independência para conduzir as investigações e até complementar provas policiais."

A procuradora observa que "a polícia não tem capacidade postulatória, quem deve requisitar à Justiça quebra de sigilo, bloqueio de bens e prisões é o Ministério Público".

Frischeisen lamenta que a aprovação da PEC 37 pela Comissão Especial se dá na contramão de avanços do Ministério Público no combate ao crime organizado, inclusive com a nova lei de lavagem de dinheiro que autoriza procuradores e promotores a fazer requisição de informações diretas, como dados cadastrais de investigados.

"A PEC contraria tratados internacionais que preveem investigações por parte do Ministério Público", acentua a procuradora regional da República em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.