Procurador vai entregar fita inaudível

O Procurador da República no Distrito Federal, Luiz Francisco de Souza, vai entregar ao Senado e à Procuradoria-Geral da República uma fita inaudível com as denúncias feitas pelo senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), na semana passada, a membros do Ministério Público. Souza confessou nesta quarta-feira a autoria da gravação da conversa, mas afirmou ter destruído a fita principal, onde ACM fazia acusações contra ministros do governo e orgãos públicos."Pisei nas fitas com o pé, trincando o invólucro plástico da fita, e depois apertei com a mão, deixando os restos no chão para serem jogados no lixo", afirmou Souza em uma nota divulgada nesta quarta-feira, onde considera lícita sua atitude e o fato de ter gravado a reunião, onde estavam ainda os procuradores Guilherme Schelb e Eliana Torelly.A fita que irá ser entregue à Brindeiro foi gravada a longa distância e de outra sala, segundo Souza.Com isso, Souza poderá ter colocado fim à discussão sobre as declarações de ACM, apesar de confirmar tudo que foi divulgado pela imprensa, onde o senador faz acusações contra o Departamento Nacional de Estradas e Rodagens (DNER), Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e o ministro dos Transportes, Eliseu Padilha. Na semana passada, o ministro da Justiça, José Gregori, requisitou a gravação ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, alegando que seria uma "relevantíssima peça probatória em diversos inquéritos em tramitação na Polícia Federal."Luiz Francisco justifica a destruição da fita ao fato de ter acontecido um racha entre ele, Schelb e Eliana Torelly. "Gravei a conversa usando um gravador em meu bolso, pois queria ter uma garantia de defesa, pessoal e institucional", disse Souza, admitindo que pode ser punido pela Corregedoria do Ministério Público, mas ressaltando que a reunião não era sigilosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.