Procurador quer reforçar combate à corrupção

O novo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, assumiu ontem o mandato de dois anos com a promessa de intensificar o combate à corrupção, sem que isso sirva para desestabilizar as instituições, e de combater todas as propostas que visem a tolher o poder de investigação do Ministério Público."O Legislativo, o Executivo e o Judiciário podem contar com a firme colaboração do Ministério Público para o desempenho de suas missões constitucionais e podem estar certos de que o Ministério Público, a despeito de não se afastar do exato cumprimento do dever de apurar desmandos e desvios na conduta dos agentes públicos, não se prestará a servir de instrumento do enfraquecimento institucional de qualquer dos Poderes", disse Gurgel em seu discurso. Sem citar a crise do Senado, Gurgel afirmou que o cenário atual exige que o Ministério Público mantenha suas prerrogativas. "As trepidações do momento atual realçam a necessidade absoluta do exercício pleno das atribuições confiadas pelos constituintes de 1988", afirmou Gurgel. "Defenderei intransigentemente as funções institucionais e os instrumentos de atuação do Ministério Público, sempre atento ao dever, que tem toda a instituição republicana, de submeter-se à crítica social, mas repelindo energicamente iniciativas de qualquer origem que busquem, sob qualquer pretexto, restringir a atuação do Ministério Público ou constranger e intimidar os seus membros."Na defesa dos poderes de investigação da instituição, Gurgel teve o apoio público do presidente Lula. "É preciso que o órgão continue tendo a liberdade para combater todas as ameaças aos direitos dos brasileiros e que mantenha e aprofunde a cooperação com os outros Poderes, inclusive com o Executivo. É o caso das operações em conjunto com a Polícia Federal, que tanto têm contribuído para combater crimes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.