Procurador quer pena maior para acusados

O Ministério Público Federal em São Paulo recorreu da sentença da 1ª Vara Criminal Federal que condenou por sonegação de R$ 17 milhões do INSS os empresários Fábio Monteiro de Barros Filho e José Eduardo Teixeira Ferraz, ex-donos da Inkal, que fez as obras superfaturadas do Fórum Trabalhista da capital. Barros pegou 6 anos e 8 meses de prisão e Ferraz, 5 anos e 10 meses, em regime semiaberto. A Procuradoria quer 8 anos e 4 meses para os dois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.