Procurador quer desapropriar fazenda de Augusto Farias

O procurador da República em Belém, Ubiratan Cazetta, defende a desapropriação, pelo governo federal, da Fazenda Santa Ana Agropecuária Industrial, localizada entre os municípios de Cumaru do Norte e Santana do Araguaia, no sul do Pará. Depois de desapropriada, a fazenda, de 21 mil hectares, deveria ser usada, segundo Cazetta, no assentamento de famílias cadastradas pelo programa de reforma agrária.Os donos da fazenda são o ex-deputado federal Augusto Farias e sua irmã Eleuza Cavalcante Farias - irmãos do falecido Paulo César Farias, tesoureiro de campanha eleitoral do ex-presidente da República Fernando Collor de Mello. Augusto e Eleuza são acusados pela Polícia Federal de submeter 103 trabalhadores a regime de trabalho semelhante à escravidão.Na semana passada, eles tiveram a prisão decretada, mas foram soltos ontem por ordem da Justiça Federal. "A Constituição já prevê, como uma das hipóteses de desapropriação para a reforma agrária, o descumprimento da função social da propriedade. E, nesse caso, está caracterizado o descumprimento dessa função, com a utilização de trabalho escravo", disse Cazetta.Outro procurador, do Ministério Público do Trabalho, Lóris Pereira Júnior, anunciou que vai ingressar com outra ação contra Augusto e Eleuza. "Será uma ação civil pública de pagamento de indenização por danos morais coletivos, pela sensação de repulsa que o trabalho escravo causa à sociedade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.