Procurador processa procurador na BA

A discussão sobre a legalidade da taxa de lixo cobrada pela Prefeitura de Salvador levou o chefe da Procuradoria da República na Bahia, Robério Nunes, a processar por calúnia e difamação o Procurador-Geral do Município, Graciliano José Mascarenhas Bonfim. O juiz Antonio Scarpa, da 17ª Vara Federal da Bahia, acatou os argumentos de Nunes e condenou Bonfim a quatro meses de prisão, pena que pode ser revertida para uma multa de dez salários mínimos (R$ 1,8 mil).Bonfim informa que recorreu da sentença ao Tribunal Federal da Justiça da 1ª Região, com sede em Brasília, e espera a reforma da decisão da 17ª Vara. "Não pratiquei crime nenhum, apenas reagi quando dr. Nunes declarou, sem razão, que eu teria reconhecido a ilegalidade da taxa do lixo", disse. A briga dos dois procuradores começou há dois anos, quando a Procuradoria da República na Bahia entrou com uma ação pública argüindo a legalidade da taxa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.