Procurador pede volta de delegado ao comando do caso Dantas

De Grandis diz que saída da equipe de Protógenes Queiroz pode comprometer as investigações da operação

Elizabeth Lopes, da Agência Estado

16 de julho de 2008 | 14h43

O procurador da República Rodrigo de Grandis, do Ministério Público Federal de São Paulo, responsável pela denúncia que resultou na Operação Satiagraha, deflagrada na semana passada pela Polícia Federal, encaminhou nesta quarta-feira, 16, ofício ao diretor-geral da Polícia Federal, Luís Fernando Correa, pedindo que o delegado da PF Protógenes Queiroz   fosse reconduzido ao comando das investigações. Queiroz foi afastado na terça das investigações que resultaram na prisão do sócio-fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, do investidor Naji Nahas e do ex-prefeito Celso Pitta, todos já em liberdade.   Veja também: Presidente do STF justifica libertação de Dantas  Opine sobre nova decisão que dá liberdade a Dantas  Entenda como funcionava o esquema criminoso  Veja as principais operações da PF desde 2003  As prisões de Daniel Dantas   Em nota divulgada, o procurador de Grandis e a procuradora Anamara Osório Silva, lamentam a saída da equipe do delegado Protógenes do inquérito e avaliam que o afastamento de Protógenes e sua equipe poderá comprometer "inquestionavelmente" a eficiência administrativa dessas investigações. Além de Protógenes, foram afastados da Operação Satiagraha os delegados federais Karina Marakemi Souza e Carlos Eduardo Pellegrini.   Para o promotor de Grandis, o delegado Protógenes e sua equipe "fizeram um trabalho excelente e deveriam permanecer à frente das investigações". E avalia: "A saída da equipe do caso é prejudicial, uma vez que a PF e o MPF estão na fase de análise de documentos". Apesar de pedir o retorno do delegado e sua equipe às investigações, o promotor argumenta que se isso não ocorrer, a PF deverá "designar um delegado à altura para proporcionar as condições necessárias à execução do trabalho".   Além de defender o retorno de Protógenes ao caso, o procurador refutou as afirmações feitas na terça-feira pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, de que 99% das investigações da Operação Satiagraha estão concluídas. "Como destinatário do inquérito policial, posso afirmar que as investigações estão apenas no início", rebateu de Grandis. Segundo ele, cabe ao MPF definir o momento que uma investigação, ou parte dela, termina, uma vez que é o MPF, nos casos investigados pela Polícia Federal, que oferece a denúncia à Justiça Federal. "A denúncia é a conclusão da investigação", reiterou.   Saída   Protógenes Queiroz não resistiu às pressões e afastou-se do comando da Operação Satiagraha. A saída dele do caso foi acertada em uma reunião, na segunda à noite, na Superintendência da Polícia Federal (PF) em São Paulo, entre ele, o delegado Jáber Saadi - seu superior imediato - e o diretor da Divisão de Combate ao Crime Organizado, Roberto Troncon Filho, emissário da Direção-Geral da PF, situada em Brasília.     Os outros dois delegados que trabalhavam com Protógenes na operação,  Karina Marakemi Souza e Carlos Eduardo Pellegrini, também devem deixar a investigação a partir da próxima segunda, segundo informações do Jornal Nacional, da TV Globo. Ainda segundo o Jornal Nacional , os delegados divergem da PF nas explicações para a saída. Os primeiros teriam dito que foram afastados pela direção da PF, e não que saíram por vontade própria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.