Procurador pede quebra de sigilo de presidente do TCE

Bittencourt é alvo de devassa sobre suposto enriquecimento ilícito

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

14 de novembro de 2008 | 00h00

A Procuradoria-Geral de Justiça requereu ontem a quebra do sigilo bancário e fiscal do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Eduardo Bittencourt Carvalho, alvo de investigação sobre suposto enriquecimento ilícito. A devassa foi solicitada à 1ª Vara da Fazenda Pública pelo chefe do Ministério Público de São Paulo, Fernando Grella Vieira. O procurador-geral detém atribuição exclusiva para investigar conselheiro de contas. Procurado para falar de sua iniciativa, Grella não foi localizado.A apuração teve início em dezembro de 2007, quando a procuradoria recebeu denúncias que envolviam Bittencourt em transferências de ativos para o exterior. Suspeita-se de remessas que somam US$ 15 milhões para o Lloyds TSB Bank de Miami (EUA).O pedido do procurador inclui rastreamento de dados financeiros de Bittencourt e de empresas com as quais ele teria mantido vínculos, como a Justinian Investment Holdings, uma offshore sediada em paraíso fiscal no Caribe. A Justinian e o conselheiro adquiriram, há 10 anos, fazenda em Mato Grosso do Sul por R$ 1 milhão.Bittencourt já está sendo submetido a uma investigação de âmbito criminal perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ). O inquérito da Procuradoria-Geral tem caráter civil, com base na Lei de Improbidade. A abertura dos dados confidenciais do conselheiro é fundamental para os trabalhos do Ministério Público.CONFIANÇA"Desconheço a existência de pedido nesse sentido", declarou Bittencourt. "(A quebra do sigilo)não me preocupa, mas em respeito à Justiça, em quem confio e acredito, por enquanto não vou emitir comentários. Estou tranqüilo também porque a minha defesa está a cargo de dois excelentes advogados, Paulo Santo André e José Eduardo Alckmin. Reitero minha manifestação de confiança irrestrita na Justiça e permaneço à disposição das autoridades, como sempre estive durante toda a minha vida pública de quase meio século."O presidente do TCE realçou que "tudo isso começou" com uma disputa judicial que trava com a ex-mulher, Aparecida Carvalho. "É uma coisa absurda."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.