Procurador pede investigação sobre Roseana e Banco Santos

O 'Estado' revelou no domingo documentos do Banco Santos que mostram que a governadora teria simulado um empréstimo para resgatar US$ 1,5 milhão do exterior

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2010 | 18h16

O procurador da República Silvio Luis Martins de Oliveira, do Ministério Público Federal em São Paulo, pediu nesta segunda-feira, 16, para a Procuradoria-Geral apurar as denúncias de suposta lavagem de dinheiro cometida pela governadora do Maranhão, Roseana Sarney.

 

Veja também:

linkRoseana só regularizou acordo pouco antes da intervenção no Banco Santos

linkDocumentos indicam que Roseana Sarney lavou dinheiro

linkAcusação tem caráter eleitoral, diz Roseana

linkNegócio envolveu aliado de Sarney

linkLigações entre família e ex-banqueiro são antigas

linkDilma quer provas antes de falar sobre caso

 

Em ofício enviado ao procurador-geral, Roberto Gurgel, Silvio de Oliveira considerou “a princípio, ilícitas” as operações financeiras realizadas entre Roseana, o marido, Jorge Murad, e o Banco Santos. O Estado revelou no domingo documentos dos arquivos do Banco Santos que mostram que a governadora e o marido teriam simulado um empréstimo de R$ 4,5 milhões junto ao banco para resgatar US$ 1,5 milhão do exterior.

 

Segundo os papéis, no dia 3 de agosto de 2004, cinco dias após a liberação dos recursos no Brasil, Roseana e Murad liberaram US$ 1,5 milhão para Edemar Cid Ferreira, ex-dono do Banco Santos, por meio de uma conta do banco suíço UBS. Roseana nega as acusações e diz que o empréstimo foi regular no Brasil. Por ser governadora, e ter foro especial no Superior Tribunal de Justiça, Roseana só pode ser investigada pela Procuradoria-Geral da República.

 

O advogado de Roseana, Antonio Carlos de Almeida Castro, minimizou a iniciativa do Ministério Público. "Embora eu ache que não há indícios para abertura de investigação, é sempre bom que haja uma análise técnica, já que os empréstimos são regulares".

 

Atualizada às 19h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.