Procurador pede ao Senado dados sobre mordomo de Roseana

Conhecido como 'Secreta', Amaury Machado é do quadro do Senado, mas trabalha na casa da ex-senadora

Rosa Costa e Rodrigo Rangel, de O Estado de S.Paulo,

20 de junho de 2009 | 12h26

O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Marinus Marsico, vai pedir informações ao Senado a respeito do desvio de função do servidor Amaury de Jesus Machado. Conhecido como "Secreta", Machado é do quadro efetivo do Senado, mas em vez de prestar serviço à instituição, trabalha há vários anos na casa da ex-senador e governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB). O caso foi revelado em reportagem publicada pelo Estado. Amigos de Roseana contam que "Secreta" é uma espécie de faz tudo, um mordomo administrador da sua casa.

 

Veja também:

som ÁUDIO: Sarney fala sobre mudanças moralizadoras

especialAs medidas apresentadas para combater a crise no Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

mais imagens GALERIA DE FOTOS: Sarney discursa no Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

especialEntenda o escândalo dos cargos e benesses do Senado

linkSenado tinha atos 'top secret' que nem saíam da gaveta

 

Embora ele não seja visto no Senado, a ex-senadora diz que ele dá expediente como "motorista noturno" e que só vai à sua casa "duas ou três vezes por semana". O procurador informou que o procedimento diante desse caso será o mesmo adotado com relação ao pagamento de horas extras no período de recesso do Senado ou de outras denúncias relacionadas ao Legislativo. Após obter informações, ele vai analisar se está configurada irregularidade. Em caso positivo, vai requerer ressarcimento pelos salários pagos sem a devida prestação de serviço à instituição.

 

Fontes do Senado acreditam que o salário de "Secreta" fica em torno de R$ 12 a R$15 mil. Mas o valor pode ser maior, se for confirmado que ele está empregado no Senado desde 1985. A ficha funcional do servidor publicada no Boletim Administrativo de Pessoal (BAP), a qual se tem acesso pela Intranet do Senado, revela que o ex-diretor-geral da Casa Agaciel Maia dava a ele um tratamento diferenciado. Os demais servidores têm no boletim todo o histórico de sua vida funcional, da contratação aos reajustes salariais. Já "Secreta" é identificado apenas por dois atos. Um deles, de 1997, trata de sua "readaptação da área de polícia para a de técnico administrativo".

 

O outro ato, de 21 de fevereiro de 2003, designa o servidor "para exercer a função comissionada de assistente técnico, do gabinete da senadora Roseana Sarney". Na data, Roseana havia acabado de tomar posse do mandato de senadora. Como ela assumiu o governo do Maranhão em abril passado, deveria constar um ato encaminhado "Secreta" para outro gabinete. Mas ele continua subordinado à ex-senadora.

 

 

Alguns dos ex-subordinados de Roseana foram transferidos para o gabinete de seu suplente, senador Mauro Fecury (PMDB-MA). Mas lá as informações terminam por contradizer Roseana. Enquanto ela afirma que ele trabalha como "motorista", o pessoal do gabinete de Fecury age como se estivesse orientado a confirmar qualquer nome solicitado. E responde que, sim, lá existe um "Amaury". Que pode ser Saboya, Pereira ou qualquer outro sobrenome citado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.