Procurador Luiz Francisco volta a acusar ACM

Oprocurador Luiz Francisco de Souza disse nesta segunda-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, que o senador Antônio Carlos Magalhães(PFL-BA) havia pedido a ele e aos procuradores Guilherme Schelb e Eliana Torelly para tentarem obter uma cópia da fita com aescuta telefônica que a Polícia Federal estava fazendo para investigar pessoas ligadas ao senador Jáder Barbalho (PMDB-PA)."Isso é uma coisa grave que na época não falamos para a imprensa porque essa escuta estava em andamento", afirmou Souza,explicando que a divulgação poderia atrapalhar a investigação."A gente explicou para ele que, primeiro, eu pessoalmente nãosabia que estava havendo essa operação da Polícia Federal".Conforme o procurador, ACM queria trocar a gravação, que seria usada para "derrubar o Jader", por informações queajudassem o MP em ações contra "o presidente da República, o filho do presidente e o genro do presidente".Souza disse ainda que vários procuradores de Brasília vão abrir uma investigação própria sobre a violação do painel eletrônicodo Senado.O episódio, conforme o procurador, configura ato de improbidade por "revelar fato que deva permanecer oculto".Nesse caso, os senadores envolvidos poderiam ser condenados a uma sanção pesada: multa de até 100 vezes a remuneração,suspensão dos direitos políticos por cinco anos e proibição de contratar com o Estado."Vamos abrir investigação paralela,porque o doutor Geraldo Brindeiro (procurador-geral da República) é que tem de abrir o inquérito contra os senadores", afirmouSouza.De acordo com o procurador, Brindeiro teria dito a eles, no domingo, que as normas jurídicas o obrigam a esperar o trâmitedo Senado para abrir qualquer inquérito sobre o assunto."O doutor Brindeiro tem até um apelido, né? Engavetador-geral daRepública", emendou o jornalista Lasier Martins.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.