Procurador-geral rebate 'frases de efeito' de Mendes

?Frases de efeito em nada contribuem para o debate sério das dificuldades do sistema judiciário?, declarou ontem o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ao rebater pesadas críticas lançadas ao Ministério Público (MP) pelo ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). ?Nenhuma é a utilidade de se estabelecer competição de deficiências entre o Ministério Público e o Judiciário.? Para Gurgel, ?críticas devem ser ponderadas para que possam ser tomadas em consideração?.

AE, Agencia Estado

19 de agosto de 2009 | 09h03

Em nota, ele afirmou que ?não falta ao respeito que qualquer autoridade pública deve às instituições?. ?De minha parte não se ouvirão censuras ao desempenho de magistrados a pretexto de inconsequente retaliação?, disse. ?Como procurador-geral, o que me cabe é trabalhar, inclusive apoiando as atividades do Conselho Nacional do Ministério Público pelo aprimoramento da instituição, que, no todo, serve muito bem ao País.?

Mendes afirmou segunda-feira que ?em alguns lugares, para ficar ruim, o Ministério Público precisa melhorar muito?. Ele acusou procuradores de agirem por interesse político em muitos casos. ?Que peçam desculpas, que digam que usaram e que até indenizem o Estado por terem usado indevidamente força de trabalho paga pelo poder público, paga pela sociedade, para fins partidários?, afirmou o presidente do STF.

Para Gurgel, ?a avaliação feita (pelo presidente do STF) do Ministério Público é oposta à da sociedade, que, embora consciente da necessidade de suprir carências, tem a instituição como uma das que melhor funcionam e que mais merecem o seu respeito?. Ele considera que ?o trabalho do Ministério Público, desde a Constituição de 1988, exemplar em muitos aspectos, não é e jamais foi visto pelo País como resultado do uso político da instituição, mas, ao contrário, como o exato cumprimento da sua missão constitucional?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.