Procurador-geral manda auditar cartões do Ministério Público

Reportagem de O Estado de S. Paulo revelou que maior parte dos gastos da Justiça e MP foi saque em espécie

Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo,

11 de fevereiro de 2008 | 15h00

O procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, afirmou nesta segunda-feira, 11, antes da sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), que ordenou uma auditoria nos gastos do Ministério Público com cartões corporativos.   Veja também:   Cronologia da crise dos cartões corporativos   Entenda o que são os cartões corporativos do governo   Após denúncia, governo publica mudanças para cartões   O jornal O Estado de S.Paulo revelou, no último domingo, que servidores da Justiça Federal e do MP movimentaram R$ 2,1 milhões no ano passado por intermédio dos cartões. Desse total, R$ 1,288 milhão foi sacado e R$ 849,3 mil foram gastos em lojas. (leia a reportagem)   De acordo com os dados referentes ao MP, de cada R$ 10 gastos com cartões, R$ 6,40 foram retirados em espécie dos cofres públicos e usados em compras.   Antonio Fernando disse que não sabia da existência desses cartões no MP e afirmou que, se houver irregularidades, os responsáveis serão punidos. "Mandei fazer uma auditoria para ver se há algum desvio, que evidentemente pode ocorrer. E se ocorrer, será punido", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.