Procurador entra com ação contra ACM e envolvidos em grampo

O procurador federal Édson Abdon Peixoto entrou hoje na Justiça Federal em Salvador com uma ação de improbidade administrativa contra o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), o senador César Borges (PFL-BA), o ex-governador Otto Alencar, a ex-secretária de Segurança Pública Kátia Alves, o deputado federal Paulo Magalhães (PFL-BA), o delegado Valdir Barbosa, o assessor técnico Alan Farias e todas as pessoas envolvidas no caso dos grampos telefônicos ilegais da Bahia.Peixoto decidiu se antecipar à conclusão do inquérito da Polícia Federal sobre o caso presidido pelo delegado Gesival Gomes, por concluir que, após examinar mais de duas mil páginas de depoimentos de envolvidos e testemunhas do caso, os acusados foram responsáveis pelas escutas telefônicas ilegais. Na avaliação do procurador, o mandante dos grampos foi o senador Antonio Carlos Magalhães.Na ação, o procurador pede a suspensão por oito anos dos direitos políticos dos envolvidos, além da perda dos mandatos e cargos públicos que ocupam no momento. Além disso requer à Justiça que os acusados sejam processados por danos morais ao Estado da Bahia e à União e que seja estabelecida uma multa para os delitos. Veja o índice de notícias sobre o grampo na Bahia

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.