Procurador denuncia internauta que prega morte a índios

O procurador da República no Pará, José Augusto Torres Potiguar, denunciou nesta quarta-feira à Justiça Federal o portuário Reinaldo Almeida dos Santos Júnior, residente em Belém, acusando-o de disseminar pelo site de relacionamentos Orkut o preconceito contra índios. Se condenado pela manifestação racista, Santos Júnior poderá cumprir de dois a cinco anos de prisão e pagar multa. "Deveríamos matar todos os índios e passar a estudar sua história", escreveu ele no dia 17 de março do ano passado na comunidade "Índios... eu consigo viver sem", que tinha 69 integrantes. Segundo Potiguar, entre dezembro de 2004 e janeiro de 2005, por diversas vezes, Santos Júnior defendeu o extermínio de povos indígenas. Quem fez a representação contra a comunidade racista do Orkut, em 2004, foi o então integrante do conselho indigenista da Fundação Nacional do Índio (Funai), Noel Villas Bôas. A Procuradoria da República de São Paulo investigou informações dos perfis dos integrantes da comunidade virtual e conseguiu, na Justiça Federal, a quebra do sigilo de dados do site e de fotos pessoais do acusado. Potiguar disse que a denúncia faz parte de uma série de investigações feitas em conjunto pelas polícias e ministérios públicos estaduais e federal. Para ele, é preciso frear o notório avanço de diversas comunidades nazistas, anti-semitas, anti-indigenistas e todos os outros tipos de congregações que preguem a "inferiorização arbitrária de qualquer grupo social através do estigma de raça inferior, criminosa ou qualquer outro tipo de adjetivo de cunho eminentemente pejorativo". Com o advento das novas tecnologias, essas comunidades encontraram na Internet uma forma eficaz de "espalhar o ódio e fomentar a violência", resume o procurador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.