Procurador defende CPI sobre ACM, Jader e EJ

O procurador da República Luiz Francisco de Souza defendeu hoje, um dia após o vazamento do encontro que o ex-presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) teve com um grupo de procuradores, a criação imediata de uma CPI mista da corrupção, para apurar as denúncias envolvendo ACM e o atual presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), além de Eduardo Jorge Caldas. Luiz Francisco, em rápida entrevista no saguão do prédio do Ministério Público, tornou a falar da existência de fitas com gravação da conversa que os procuradores tiveram com o ex-presidente do Senado. O que a revista IstoÉ publicou, segundo ele, foram transcrições textuais da conversa ocorrida no encontro. Na sua avaliação, o episódio não provocou divisão no Ministério Público. Ele também não acredita que houve perda de credibilidade do Ministério Público. Mostrou que uma prova disso foi que o próprio presidente da República demitiu dois ministros. Luiz Francisco está neste momento em seu gabinete ouvindo depoimentos relativos a uma série de casos que investiga. Ainda esta tarde, ele terá uma reunião com os procuradores Gilherme Schelb - que participou da conversa com ACM - e Alexandre Camanho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.