Procurador apresenta ao STF denúncia contra Mares Guia

Ministro é acusado de participar do esquema do mensalão mineiro; ele acertou sua saída do cargo com Lula

Andréia Sadi, do estadao.com.br

22 de novembro de 2007 | 14h38

 O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou nesta quinta-feira, 22, que o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, apresentou denúncia contra o ministro das Relaçoes Institucionais, Walfrido dos Mares Guia. A denúncia já está com o relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, disse a assessoria do STF ao estadao.com.br.   Segundo fontes do Palácio do Planalto ouvidas pela Agência Estado, Mares Guia já tomou a decisão de deixar o cargo e prepara a carta de renúncia em reunião esta tarde com assessores.A saída do ministro foi antecipada pelo Estado, na edição desta quinta-feira, 22. A carta do ministro comunicando sua decisão ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva será entregue no final do dia, segundo as mesmas fontes.   Além do ministro das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, o senador Eduardo Azeredo, o empresário Marcos Valério de Souza, e mais 12 foram denunciados pelo procurador, acusados de participação no mensalão mineiro.   Veja Também:    Entenda o mensalão mineiro  Veja quem são os 15 denunciados pelo mensalão mineiro  Íntegra da denúncia  Mares Guia acerta afastamento do cargo com Lula   Senadores do PTB abandonam bloco governista     Barbosa, no entanto, não soube precisar quais crimes cada um teria cometido, de acordo com a denúncia, mas adiantou que de acordo com o Ministério Publico houve a prática de peculato e lavagem de dinheiro. A denúncia tem aproximadamente 80 páginas e cerca de 15 denunciados, incluindo o empresário Marcos Valério.   Mares Guia seria apontado na denúncia como operador do esquema irregular da campanha à reeleição do então governador mineiro Eduardo Azeredo. O esquema, intermediado pela SMP&B, a agência do publicitário Marcos Valério, teria sido a gênese do mensalão repetido posteriormente pelo PT.   Durante a reunião do Conselho Político do governo que se estendeu até depois das 13 horas, o assunto não teria sido abordado, segundo o líder do governo na Câmara, José Mucio Monteiro (PE), companheiro de Mares Guia no PTB. "Posso dizer que todos nós estamos torcendo pelo melhor para o país. Todos os partidos sabem da extraordinária contribuição que Walfrido dá ao país", disse José Múcio, cujo nome é apontado como sucessor natural de Mares Guia.   Mares Guia é filiado ao PTB, partido que decidiu nesta quarta-feira romper com o bloco governista. O anúncio foi feito pelo senador Romeu Tuma (PTB-SP) após reunião realizada no gabinete da liderança do partido. Tuma disse que, apesar da decisão, os petebistas não estão passando para a oposição e sim adotando uma postura "mais independente", sem fechar questão nem contra nem a favor da aprovação da emenda que prorroga até 2011 a vigência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).   Tuma não mencionou os motivos do rompimento, mas o movimento nessa direção começou recentemente, quando a senadora Ideli Salvatti (PT) substituiu Mozarildo Cavalcanti, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), depois que este decidiu votar contra a emenda da CPMF.   (Com Reuters) (Colaborou Felipe Recondo e João Domingos, do Estadão)   Texto ampliado às 16h11

Tudo o que sabemos sobre:
Mensalão mineiroMares Guia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.