Procurador analisa deliberações do Senado sobre nepotismo

Antônio Fernando diz que só vai analisar representações após demissões de parentes de parlamentares

Agência Brasil

16 de outubro de 2008 | 15h04

O procurador-geral da República, Antônio Fernando de Sousa, disse nesta quinta-feira,16,  que só depois de estudar as deliberações adotadas pela Mesa Diretora do Senado Federal sobre a demissão de funcionários que sejam parentes de senadores, vai avaliar se cabe alguma representação no Supremo Tribunal Federal (STF).   Veja também:  Principais casos de nepotismo  Analista político comenta a decisão do STF que proíbe nepotismo   "Evidentemente que, se entre as deliberações do Senado sobre a Súmula [Vinculante n°13] alguma destoar do que foi decidido pelo Supremo, eu vou ajuizar uma reclamação para que o STF decida sobre isso", afirmou Sousa.   Ele também disse que sua atuação se dá em função da sua competência exclusiva de procurador-geral da República, que é a de oferecer reclamação ao Supremo", e, por isso, não pretende pedir aos presidentes do Senado e da Câmara informações sobre o quadro de funcionários.

Tudo o que sabemos sobre:
nepotismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.