Procurador acusa Google de apagar provas de pedofilia

O procurador da República no Estado de São Paulo Sérgio Suiama acusou hoje o Google, dono do site de relacionamentos Orkut, de apagar provas de crimes de pedofilia, ao simplesmente tirar do ar as páginas denunciadas pelos usuários. A acusação foi feita em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, no Senado, em Brasília. Segundo Suiama, a simples retirada do ar das páginas destrói provas contra os criminosos, impedindo a investigação.O ideal, disse, seria que as páginas fossem tiradas do ar e arquivadas por um certo período, durante o qual ficariam à disposição do Ministério Público e da polícia. A zona livre para os crimes, segundo o procurador, são os álbuns de fotografia do Orkut, com acesso restrito. Suiama afirmou que em 75% dos álbuns há troca de imagens com pornografia infantil.O procurador relatou aos parlamentares que a matriz do Google, na Califórnia (EUA), atrapalha apurações de crimes no Orkut ao impedir a filial brasileira da empresa de responder a ordens judiciais. Segundo Suiama, a companhia defende que o escritório no Brasil só trate de questões comerciais. Isso obriga as autoridades brasileiras a enviarem qualquer pedido de informação aos Estados Unidos. "Os crimes cometidos por usuários no Brasil são nacionais", afirmou o procurador. "A filial brasileira é que deve responder por eles."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.