Procura por ex-deputado irritou Exército

Relatório acusou líder do MDB de causar ''tumulto'' na busca de informações

Wilson Tosta, O Estadao de S.Paulo

05 de maio de 2009 | 00h00

A mobilização para denunciar o desaparecimento do ex-deputado Rubens Paiva, no início de 1971, irritou o Centro de Informações do Exército (CIE), órgão de repressão política do regime militar extinto nos anos 80. Um relatório de sua Agência Central, guardado no acervo da extinta Divisão de Segurança e Informações do Ministério da Justiça (DSI-MJ), de 19 de março daquele ano, ataca duramente o líder do MDB na Câmara, Oscar Pedroso Horta, por ter dado entrevistas após participar, pela primeira vez, de reunião do Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), na qual foi discutido o caso do ex-parlamentar. Segundo a Informação nº 571/71-S/103-CIE, o emedebista teria violado o Regimento Interno do Conselho ao revelar assunto sigiloso e tecer "considerações incriminatórias" ao I Exército.ATRITOSNo documento, o CIE acusa Pedroso Horta de querer "tumultuar as atividades do Conselho" e reclama que "a difusão de simples denúncias poderia (...) alimentar a campanha de difamações contra o Brasil". O centro afirma que o líder oposicionista queria "criar uma área de atritos entre o governo, explicitamente os srs. presidente da República e ministro da Justiça, e o Exército, afirmando não acreditar que essas altas autoridades possam ser responsabilizadas pelo desaparecimento do ex-deputado Rubens Paiva". Diz ainda que o deputado agiu deliberadamente para apresentar o I Exército "como sonegador de informações à Justiça Militar"."Nota-se haver propósitos velados da parte do Sr. Pedroso Horta, já anteriormente demonstrados em outras entrevistas, em contestar a Revolução através de provocações sistemáticas ao governo e às instituições militares", ataca o órgão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.