Processo de compra de caças continua parado

Há mais de dois meses no comando do Ministério da Defesa, o ministro Celso Amorim ainda não teve nenhum contato oficial com as três empresas que participam da concorrência internacional para fornecer 36 caças de alta tecnologia à Força Aérea Brasileira (FAB) - o projeto F-X2.

ALFREDO JUNQUEIRA, Agência Estado

11 de outubro de 2011 | 20h29

Executivos da francesa Dassault e da sueca Saab confirmaram que suas empresas ainda não tiveram acesso à pasta para tratar do projeto desde que Amorim substituiu o ex-ministro Nelson Jobim, no início de agosto. Por nota, a americana Boeing também informou que não teve mais contato com o ministério.

Negócio estimado em US$ 10 bilhões (R$ 17,6 bilhões), a renovação da frota da FAB está suspensa desde o início do ano por decisão da presidente Dilma Rousseff. O processo se arrasta desde 2002. A compra dos caças foi interrompida por questões orçamentárias. A previsão é que o governo federal anuncie sua decisão apenas no fim do ano que vem.

"Por enquanto, que eu saiba, não há conversa. O processo está parado. A presidente resolveu parar para se dedicar a outras áreas", disse Jean Marc Merialdo, diretor do consórcio Rafale International no Brasil, hoje de manhã, durante seminário promovido pela empresa no Rio. "Nós, das empresas, não estivemos com ele (Amorim). Por enquanto, entre as empresas e o ministério não há pontes ou interlocução", afirmou o executivo.

Diretor para a campanha do Gripen NG da Saab no Brasil, Bengt Janér disse que está em contato com o ministério para tratar de outros projetos que a empresa sueca desenvolve com a pasta. Sobre o F-X2, o executivo admite que não houve avanço. "O ministro da Defesa está se inteirando dos vários projetos da pasta dele", disse Janér. "FX-2 está parado, eu concordo. Está na mão da presidente. O ministro está em sintonia fina com ela", argumentou o executivo.

A assessoria de imprensa do Ministério da Defesa limitou-se a informar que o programa de renovação da frota de caças da FAB está no âmbito da Presidência da República.

Tudo o que sabemos sobre:
caçasseminárioDefesaAmorim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.