Processo contra mensaleiros pode atingir Lula, diz Economist

Revista britânica lembra que 'envolvidos eram do coração do governo' e faz menção a Renan ser aliado de Lula

João Caminoto, do Estadão,

30 de agosto de 2007 | 15h42

A revista The Economist afirmou que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de abrir um processo criminal contra os acusados do mensalão "poderia finalmente manchar a imagem à prova de escândalos" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Veja também: Especial: quem são os 40 do mensalão e de que crimes são acusados A reportagem da publicação britânica afirma que os brasileiros estão acostumados a escândalos de corrupção, "mas mesmo o mais cínico deve ter prestado atenção" na decisão do STF. Trata-se da primeira vez que o tribunal mais graduado do País abriu processos criminais contra políticos, acrescentou. "Os envolvidos eram do coração do governo", disse. A Economist observou que o presidente do Senado, Renan Calheiros, aliado de Lula, também enfrenta acusações de corrupção, apesar do senador ter "firmemente, talvez implausivelmente", alegado inocência. "Os brasileiros reclamam há muito tempo que seus políticos representam uma lei por si próprios", disse a revista. "Se Calheiros partir e o STF punir os que forem julgados culpados, pode haver menos razões para tal cinismo."  Dirceu O ex-ministro José Dirceu colocou nesta quinta-feira, 30, sob suspeita o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que abriu ação penal contra os 40 denunciados no esquema do mensalão e disse temer pelo resultado final do seu processo junto à Corte no futuro. Em entrevista coletiva, na qual se defendeu das acusações, Dirceu disse que a divulgação da conversa telefônica do ministro do Supremo Ricardo Lewandowski, publicada no jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira, 30, afirmando que os ministros do Tribunal votaram com a "faca no pescoço" por conta da pressão da imprensa coloca "no mínimo o julgamento do STF sob suspeição".  O ex-ministro disse ainda que desistiu de fazer um campanha para pedir a anistia da cassação do seu mandato de deputado federal, ocorrida no final de 2005 em função do escândalo. Na última terça-feira, o tribunal encerrou a análise da denúncia contra 40 acusados de envolvimento no esquema do mensalão, incluindo Dirceu, tornando todos eles réus. E Dirceu responderá pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha. Mensalão O esquema do mensalão - pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo - foi denunciado por Roberto Jefferson, então deputado pelo PTB e presidente da legenda, que acabou sendo cassado por conta de seu envolvimento. Segundo ele, os pagamentos mensais chegavam a R$ 30 mil e o esquema de repasse do dinheiro era feito através de movimentações financeiras do empresário Marcos Valério. Dos acusados de envolvimento no esquema, foram cassados José Dirceu, Roberto Jefferson (PTB-RJ), que denunciou o mensalão, e Pedro Corrêa (PP-PE). Quatro parlamentares renunciaram para fugir do processo e 11 foram absolvidos. Agora, após decisão do STF, todos estão no banco dos réus e, segundo previsão de juristas, uma condenação pode demorar até cinco anos.  (Com Elizabeth Lopes, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.