Processo contra Jader depende agora de Brindeiro

Os procuradores de Justiça do Pará Vânia Silveira e Gilberto Martins entregaram ontem ao procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, documentação sobre as investigações do desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará). Após uma reunião que durou cerca de oito horas, nenhum dos três integrantes do Ministério Público quis falar sobre as providências que serão tomadas. Inicialmente, havia a intenção de abrir a reunião para a imprensa, mas, ao final, os procuradores evitaram os jornalistas. O caso chegou ao procurador-geral da República porque as apurações envolvem o presidente do Congresso e ex-governador do Pará, Jader Barbalho, e sua ex-mulher, a deputada federal Elcione Barbalho.Jader governava o Estado do Pará na época em que teriam ocorrido os desvios.Eventuais inquéritos contra os dois terão de tramitar no Supremo Tribunal Federal (STF), com o acompanhamento de Brindeiro, porque, no Brasil, os parlamentares têm prerrogativa de foro perante o STF. Isso significa que ações penais contra deputados e senadores tramitam originariamente no Supremo. Há pouco tempo, Brindeiro deu declarações sinalizando que não iria investigar Barbalho porque o suposto crime de peculato teria prescrito. Ele resolveu requisitar os documentos ao Ministério Público do Pará depois de um pedido do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA).Brindeiro também foi pressionado por integrantes do Supremo que, informalmente, opinaram que o procurador deveria pedir a abertura de uma investigação contra Barbalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.