Dida Sampaio
Dida Sampaio

'Problema dele', diz Janot sobre possível volta de Cunha à Câmara

Presidente afastado da Câmara anunciou em depoimento ao Conselho de Ética que voltará a frequentar a Casa a partir de segunda-feira

Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2016 | 21h20

Brasília - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, evitou falar nesta quinta-feira, 19, sobre o anúncio do presidente da Câmara afastado, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sobre sua volta à Casa mesmo após ser afastado pelo Supremo Tribunal Federal. "Problema dele", disse Janot, quando perguntado sobre o caso.

Cunha teve o mandato suspenso pelo STF no último dia 5, e voltou à Câmara nesta quinta para prestar depoimento no processo de cassação do qual é alvo no Conselho de Ética da Casa. O parlamentar disse, no entanto, que está proibido de exercer o mandato, mas não de frequentar a Câmara e que, a partir da próxima segunda-feira, ele estará em seu gabinete.

A decisão da Corte sobre o afastamento de Cunha partiu de um pedido de Janot feito em dezembro de 2015 e encaminhado ao relator da Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki. Janot sustentava que o peemedebista usava o cargo para atrapalhar as investigações contra ele na Lava Jato e impedir o trâmite do processo de cassação contra ele na Câmara.

Há sete procedimentos no STF contra Cunha na Lava Jato: uma ação penal por recebimento de propina em contratos de navios-sonda da Petrobras, uma denúncia oferecida por Janot por causa das supostas contas irregulares que ele manteve na Suíça e outros três inquéritos, além de dois pedidos de abertura de novas investigações.

O parlamentar afastado também é investigado por receber propina em um esquema dentro de Furnas, que foi apontado em delações premiadas obtidas no âmbito das investigações da Lava Jato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.