DIV
DIV

Pró-impeachment, Russomanno mantém indicado no Esporte

Titular de secretaria na pasta que foi do PRB confirma ligação política com pré-candidato a prefeito de São Paulo

Adriano Ceolin / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2016 | 04h00

Pré-candidato a prefeito de São Paulo pelo PRB, o deputado Celso Russomanno é responsável pela indicação de um dos cargos mais cobiçados do Ministério do Esporte, a Secretaria de Política Nacional de Futebol e Defesa de Direitos do Torcedor. O posto é ocupado por Rogério Hamam desde que o PRB assumiu o comando da pasta, no começo de 2015.

No último dia 16, Russomanno deu declarações justificando o rompimento do PRB com o governo Dilma Rousseff. “Não temos nenhum caminho. Não sabemos o motivo de o governo estar aí. Estamos acompanhando a crise que só se aprofunda. O PRB, por unanimidade, decidiu sair da base do governo e vai apoiar a abertura do processo de impeachment”, afirmou o deputado.

O PRB, no entanto, voltou atrás e o nome indicado por Russomanno permanece dando expediente no Ministério do Esporte, sem previsão de sair. Em entrevista ao Estado, Rogério Hamam confirmou sua ligação política com o deputado do PRB e disse que não pretende pedir demissão.

“(A demissão) é uma atribuição do ministro. No momento que ele achar oportuno, eu estou à disposição”, disse Hamam. “O timing é dele. O ministro pode fazer isso amanhã, daqui a uma semana ou daqui a um mês.”

A situação de Hamam é similar à de outros dois filiados do PRB com cargos de secretário no ministério: Carlos Geraldo Santana, da Secretaria Nacional de Esporte; e Marcos Jorge de Lima, da Secretaria Executiva, segundo cargo mais importante da pasta.

Indicação. O PRB passou a controlar o Ministério do Esporte em janeiro de 2015, com a nomeação de George Hilton para a vaga de ministro. De lá para cá, no entanto, ele se desentendeu com Marcos Pereira, presidente nacional da sigla, que funciona como braço político da Igreja Universal.

Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff fez o PRB rever seu rompimento com o governo. Ela aceitou a demissão de Hilton e pediu que Pereira sugerisse um novo nome para a pasta. O presidente do PRB confirmou que indicou três pessoas, entre elas Ricardo Leyser – filiado do PC do B que assumiu o cargo.

Como o Estado publicou ontem, um dia após a troca de cadeiras, o contrato de publicidade do ministério foi prorrogado sem licitação. A medida beneficiou Sidney Campos, dono da Fields Comunicação, empresa que compartilha com a PPR Profissionais de Propaganda o contrato de publicidade do Ministério do Esporte, no valor total de R$ 44 milhões.

Campos já foi filiado ao PRB e tem um irmão que foi candidato a deputado estadual pela sigla em Tocantins. O empresário também é amigo de políticos do PC do B, como o deputado Orlando Silva (SP).

Orlando foi ministro do Esporte entre 2008 e 2011. No mesmo período, as empresas de Campos cuidaram das contas de publicidade do ministério. No ano passado, os dois passaram o réveillon juntos.

Antes das eleições municipais de 2012, Orlando chegou a negociar o apoio do PC do B a Russomanno. O partido, porém, indicou Nádia Campeão como vice de Fernando Haddad (PT), que venceu o pleito naquele ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.